Integração entre UFSM e Agropecuária LP

    OBJETO: Desenvolver atividades na área de Zootecnia e Veterinária

    Primeiras dificuldades

    Dificuldade de acesso à propriedade. Na época não existia estrada e sim, apenas um caminho. Pouco tempo para estar na propriedade por estar desenvolvendo as atividades como professora. Infra estrutura da propriedade limitada para receber alunos.

    Mesmo com essas dificuldades, a Agropecuária LP colaborou para a condução de vários trabalhos de iniciação científica com alunos da graduação, de mestrado, de doutorado, atividades específicas como o Dia do Desafio que é uma iniciativa dos alunos do 8º semestre do curso de veterinária, cursos em parceria com o Senar, empréstimo de animais (bovinos e ovinos) para experimentos realizados dentro da UFSM, trabalhos de conclusão de curso e outras colaborações.

    Com a minha aposentadoria e, consequentemente, com mais tempo para estar na propriedade, somado a uma melhor infraestrutura, entendi que era possível elaborar um documento propondo a parceria e especificando o que a Agropecuária LP poderia oferecer. Submeti a proposta a apreciação de vários colegas dos cursos de Zootecnia e Veterinária para que, se achassem pertinente, pudéssemos enviar ao reitor para uma apreciação. Em dezembro de 2014 foi assinado o convênio pelo prof Paulo Bayard, vice reitor no exercício da reitoria.

    Apresentação:

    Me chamo Maria Beatriz Gonçalves, sou zootecnista, fui pesquisadora da Embrapa, professora aposentada do Departamento de Zootecnia da UFSM e produtora rural no município de São Gabriel. Atualmente trabalho juntamente com os filhos Liliana e Pedro numa empresa familiar denominada Agropecuária LP com as atividades: bovinos, ovinos, equinos e lavouras de soja e arroz, estas em regime de arrendamento.

    Motivos que me levaram a procurar uma parceria com a UFSM

    Durante o doutorado, tive oportunidade de vivenciar e compreender a relação de parceria que existe entre as universidades neozelandesas e os produtores rurais. Tanto na Massey como na Lincoln University as atividades de extensão e de prestação de serviços à comunidade acontecem na medida em que as universidades buscam os produtores para participarem das suas linhas de pesquisa e os consideram seus aliados para a solução dos problemas. Da mesma forma, os produtores disponibilizam a sua infraestrutura para que trabalhos possam ser desenvolvidos nas suas dependências dentro de uma relação de troca, onde todos se beneficiam.

    Dificuldades posteriores

    Resolvidos os primeiros impasses, surgiram outros que eu chamaria de desafios culturais que me pareceram mais difíceis como:

    • Explicar para os meus filhos que, ao abrir espaço na minha agenda para esta atividade não estava perdendo o meu tempo
    • Desafiar os colaboradores da Agropecuária LP que eles também teriam algo para ensinar e muito por aprender
    • Explicar aos meus amigos que esta é uma atividade que julgo ser de cidadania e que é altamente recompensadora na medida em que podemos ser úteis a sociedade
    • Discutir com os meus colegas professores que esta parceria poderia ser possível e que poderia render frutos dentro de um espírito de que todos possam ganhar na medida da integração de conhecimentos.
    • Mostrar aos alunos que, com esta atividade, não estou pensando em ganhos unilaterais.
    • Explicar ao reitor que esta parceria poderia ser um ambiente rico de troca e de crescimento para todos e que no futuro, outras empresas privadas pudessem replicar iniciativas dessa natureza com a UFSM e/ou outras Instituições públicas.

    Entendemos que estamos no início de uma atividade até então pouco exercida pela sociedade e que temos muito a evoluir tanto na sua concepção como na metodologia utilizada. Nestes quase dois anos de parceria temos vivenciado experiências animadoras para acreditar que temos um futuro promissor. Anexo, uma foto de um dia de campo com os alunos do curso de zootecnia, da disciplina de ovinocultura sob a regência do prof Sergio Carvalho analisando e discutindo aspectos de genética, sanidade, alimentação e manejo, numa integração entre a pesquisa, extensão e ensino. Temos a convicção de que práticas desta natureza possam contribuir para a formação de profissionais mais preparados para atender as reais necessidade da sociedade.

    A exemplo de Iniciativas como a do Tratado Cidadão, que busca sensibilizar a sociedade organizada e os cursos de graduação para a construção de uma proposta capaz de garantir uma coerência entre a formação de profissionais e as necessidades da sociedade, acreditamos estar contribuindo para a formação de profissionais cada vez mais comprometidos e conscientes do seu papel no desenvolvimento de uma sociedade sustentável, justa e adequada a sua realidade.

    Estamos abertos para a troca de idéias e sensíveis a propostas para melhorias.